Ex-ministros do Meio Ambiente mostram a Sarney preocupação com o Código Florestal


O presidente do Senado, José Sarney, recebeu na tarde desta segunda-feira (23) a visita de uma comitiva de oito ex-ministros do Meio Ambiente. Marina Silva, Carlos Minc, José Carlos Carvalho, Henrique Brandão Cavalcanti e Fernando Coutinho Jorge participaram do encontro. A comitiva ainda contou com a presença de Rubens Ricupero e de Paulo Nogueira Neto, considerado o primeiro ministro do Meio Ambiente do Brasil. O ex-ministro e deputado federal Sarney Filho (PV-MA) também estava presente.

Os ex-ministros levaram ao presidente Sarney uma carta com as principais preocupações relacionadas ao novo Código Florestal (PL 1876/99), previsto para ser votado nesta terça-feira (24) na Câmara dos Deputados. Questões como a anistia a desmatadores, a classificação de agricultores familiares e a demarcação de áreas de preservação permanente estão entre as preocupações dos ex-ministros. Outros dois ex-ministros do Meio Ambiente também assinaram a carta: Gustavo Krause e José Goldemberg

Marina Silva disse que as conquistas da legislação ambiental correm risco com o novo Código. Para a ex-ministra e ex-senadora, que foi candidata à Presidência da República em 2010, as novas leis devem ser feitas no sentido de preservar as florestas e incentivar a produção sustentável. De acordo com Marina Silva, o ideal seria o adiamento da votação pela Câmara, para permitir um maior debate das questões polêmicas. Marina disse que espera que o Senado indique um relator que não esteja comprometido com partes interessadas no texto, para corrigir "possíveis erros da Câmara".

- O Senado é a casa da reflexão. Precisamos de um texto que reflita o pensamento de todos os brasileiros - disse Marina.

Para José Carlos Carvalho, o Brasil vem mostrando evolução na legislação ambiental, mas o "novo Código é uma involução". O ex-ministro afirmou ainda que o dilema entre a preservação do meio ambiente e a produção da agricultura deve ser considerado superado. De acordo com Carvalho, o equilíbrio do meio ambiente é essencial para o crescimento da produção do campo e o Novo Código precisa respeitar a importância da agricultura sustentável.

De acordo com Carlos Minc, o Brasil vem ganhando respeito internacional pela diminuição do desmatamento. Para o ex-ministro, o Novo Código Florestal pode servir de incentivo para ampliar o desmatamento, pois seria uma verdadeira "motosserra na proteção ambiental".

- Contamos com o olhar atento e ecológico de Sarney - afirmou Minc.

O presidente José Sarney declarou que o fato de receber a visita de oito ex-ministros engajados no tema evidencia a importância da questão. Sarney disse que esperava um acordo sobre o texto do Novo Código na Câmara, mas se isso não for possível o "Senado vai analisar com cuidado" as questões polêmicas. Sarney também lembrou que seu primeiro discurso no Senado sobre a importância do meio ambiente foi feito ainda no ano de 1972.

- Sempre fui muito sensível à causa ambiental. A preservação ecológica tem a ver com o destino da humanidade - afirmou.