Projeto prevê túnel em plena Serra do Curral

Construir um túnel sob a Serra do Curral, ligando a Avenida das Agulhas Negras - continuação da Afonso Pena -, no Bairro Mangabeiras, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, à Avenida de Ligação, na região das Seis Pistas, em Nova Lima. O polêmico projeto, engavetado nos anos 1990 por ter sido considerado economicamente inviável, deve voltar à mesa de discussão nos próximos meses. O objetivo é aliviar o trânsito no entorno do BH Shopping e criar opções para desviar caminhões das avenidas Nossa Senhora do Carmo e do Contorno.

 

O projeto prevê que a entrada do túnel seja construída no final da Avenida das Agulhas Negras, no sopé da Praça do Papa, ou na Rua José do Patrocínio Fontes, ao lado do Hospital de Olhos Hilton Rocha. No primeiro caso, o percurso subterrâneo seria de pouco menos de dois quilômetros. No segundo, de cerca de 800 metros. Em qualquer um dos casos, o minério de ferro retirado do trajeto poderia ser comercializado, o que tornaria o empreendimento autossustentável, ou o mais próximo disso.

 

A princípio, a obra seria feita em consórcio, como medida de compensação ambiental. Ficaria a cargo de várias empresas que atualmente planejam empreendimentos nos bairros Belvedere e Mangabeiras, em Belo Horizonte, e ao longo da Avenida de Ligação e da MG-30, no município de Nova Lima. Se licenciadas, as obras devem tornar a divisa dos municípios uma área ainda mais verticalizada. E deixar o trânsito mais caótico do que já está.

 

Estimativas do Instituto Horizontes apontam que, até 2014, a região, chamada de Vetor Sul, deve passar por um boom imobiliário. O instituto se dedica a estudar os problemas da Região Metropolitana de Belo Horizonte, traçando soluções. Um estudo feito em 2009 aponta que, nos próximos quatro anos, cerca de 50 mil vagas de garagem serão construídas para abrigar os veículos de centros comerciais, prédios habitacionais e de escritórios ainda em fase de projeto ou já em obras. Entre os empreendimentos, pelo menos cinco grandes, ainda em fase inicial de licenciamento ambiental, chamam a atenção.

 

Do lado nova-limense da fronteira, exatamente atrás da Serra do Curral, a mineradora Vale tem um projeto para transformar a cava da antiga Mineração Águas Claras em um pequeno centro urbano. O conceito é usar o local onde o minério era processado para fazer um conjunto de edifícios, escola, faculdade e centro de compras.

 

Outros dois projetos parecidos - um no Centro de Nova Lima, de propriedade da AngloGold Ashanti, e outro em Belo Horizonte, em uma área de mineração próxima à Vila do Acaba Mundo, na divisa entre os bairros Mangabeiras e Sion - também podem virar realidade nos próximos anos. Na Seis Pistas uma outra torre, da Construtora Caparaó, deve chegar aos 22 andares e contar com 950 vagas de garagem.

 

De acordo com um dos diretores executivos do Instituto Horizontes Hudson Navarro, o diagnóstico do Vetor Sul aponta para a urgência da criação de alternativas para o trânsito na região. Apesar do documento não mencionar o túnel, ele traz 26 propostas de medidas urgentes. A principal delas, a Alça Sul, que é uma via de ligação passando por trás da Serra do Curral.

 

"Essa via tem a vantagem de ficar ao lado de trilhos que eram usados no trem suburbano, desativado no início dos anos 1990. Pode ser transformada em uma via multimodal com poucos investimentos", destaca Navarro.

 

 

Empreendedores devem pensar as soluções


Para a professora Heloísa Costa, do Instituto de Geociências da UFMG, todas as alternativas para o trânsito no vetor devem ser colocadas. A professora participou da elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento da Região Metropolitana de Belo Horizonte, realizado no ano passado.

 

Segundo ela, os empreendedores têm que participar mais das soluções para os problemas que eles mesmos causam à cidade. "O licenciamento ambiental tem que se tornar um licenciamento social. O responsável por grandes obras deve criar soluções para o excesso de gente, saneamento, vagas de escolas, hospitais", destaca.