Código Florestal.

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza (PT-SP), afirmou que o Código Florestal será votado na próxima terça-feira. O petista observou, no entanto, que o governo não concorda com a proposta de emenda feita pelo PMDB e apoiada pelos partidos aliados e de oposição. Pela proposta, o Código validará as plantações feitas até 22 de julho de 2008 em Áreas de Preservação Permanente (APPs). "O governo não concorda com a consolidação generalizada do desmatamento", afirmou Vaccarezza.

Sem votos para derrubar a emenda subscrita pela base e pela oposição, o líder fez uma ameaça velada: a presidente Dilma Rousseff poderá vetar parte ou até integralmente o novo Código Florestal. "Acho muito arriscado empreender uma derrota ao governo nesse tema", alertou Vaccarezza.

Ele disse que, até terça-feira, vai tentar convencer a base aliada a não derrotar o governo. "Mas estamos preparados para não ganhar", admitiu o líder do governo.

Segundo Vaccarezza (PT-SP), não há possibilidade de o governo recuar em dois outros pontos nas negociações para votação do projeto: a consolidação das áreas anteriormente desmatadas e a anistia das multas para quem desmatou.

O deputado disse que quem votar contra o governo pode sofrer prejuízo. "Vai ser muito melhor para a base e para os trabalhadores rurais seguirem a base. Se a presidenta vetar totalmente, será muito pior para aqueles que seguirem uma orientação de uma base menor da Câmara", afirmou.

Mais prazo. Segundo Vaccarezza, o governo ainda quer um prazo para, via decreto ou lei federal, estabelecer as APPs nas margens de rios. "Para o governo não existem áreas consolidadas", disse.