Em ofício, Amda pede a empresas que patrocinaram políticos que intercedam contra alteração no Código Florestal

A Amda, visando levar o debate que envolve as modificações do Código Florestal Brasileiro para todos os setores da sociedade, está enviando desde ontem (16), ofício para empresas que patrocinaram campanhas políticas de deputados federais eleitos por Minas Gerais. O objetivo do documento é que as empresas intercedam junto aos políticos, no sentido de que eles não aprovem inclusão de item na proposta de mudança do Código Florestal que estimule mais desmatamentos no país.

A busca pelo nome das empresas foi realizada através de pesquisa no site do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). No ofício, a Amda explica que o texto de Aldo Rebelo, relator da proposta, isenta de Reserva Legal (RL) propriedade com até quatro módulos fiscais.

"Se isto for aprovado, além do desmatamento dessas propriedades, o 'jeitinho' brasileiro, lamentavelmente, resultará numa corrida a cartórios para fracionar propriedades, de maneira a 'enquadrar-las' nessa medida e assim desmatar ainda mais", exemplifica a representante da entidade no ofício.

A Amda acredita na importância da iniciativa visto que, se a sugestão for atendida pelas empresas, o meio ambiente pode ser beneficiado, e junto a ele, todo país também sai ganhando.

"Florestas não são estoques de madeira ou terras ‘inaproveitadas'. São morada de milhares de espécies animais e vegetais; estoques de carbono que não podem ser liberados para a atmosfera. O meio ambiente natural não pode mais ser tratado como fornecedor infinito de recursos naturais", argumenta o ofício.