Corrupção no IEF está na mira de deputados

A Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) quer explicações do desvio de recursos públicos feito por ex-dirigentes do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e cobra explicações do ex-secretário de Meio Ambiente José Carlos Carvalho. Os deputados Rogério Correia (PT), Antônio Júlio (PMDB) e Sávio Souza Cruz (PMDB) entraram com pedido de audiência pública, que deve ser votado hoje pela Comissão de Administração Pública da Casa.


Ontem, alguns deputados foram até o Ministério Público Estadual (MPE), para analisar os inquéritos contra os acusados de desviarem dinheiro do Estado. "É algo muito preocupante a forma como foi montada uma quadrilha que afeta tanto o meio ambiente como os cofres públicos. Não é possível que o então secretário do meio ambiente, que trouxe vários desses dirigentes da época em que ele (José Carlos Carvalho) era ministro do Meio Ambiente, não sabia de nada", questiona o deputado Rogério Correia.


O MPE ajuizou quatro ações civis públicas e quatro ações criminais contra o ex-diretor do IEF Humberto Candeias e outros oito réus, acusados de envolvimento em esquema de corrupção no desmatamento ilegal para produção de carvão, para que eles devolvam R$ 39 milhões aos cofres do Estado.


De acordo com o promotor do MPE responsável pelas investigações, Rogério Filippetto, José Carlos Carvalho não aparece entre os citados porque não há indícios que apontem para ele. "Nós trabalhamos com provas e, por enquanto, as investigações não apontam para ele", diz o promotor.


Segundo Filippetto, os envolvidos começarão a ser chamados só depois que os pedidos de liminares forem deferidos. "Por enquanto, duas ações já foram, agora os juízes precisam deferir mais duas, aí começa a fase de instrução, quando os envolvidos serão chamados a prestarem esclarecimentos", explica Filippetto.


Além do IEF, a ALMG solicita a presença de representantes do MPE, das secretarias de Estado da Fazenda, do Meio Ambiente e da Receita Federal.