Programa de Pesquisa em Mudanças Climáticas fornecerá interface amigável entre bases de dados

Um sistema computacional desenhado especialmente para o Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG) fornecerá uma interface amigável entre as bases de dados dos diferentes projetos que compõem o programa.

A informação foi divulgada na semana passada no Workshop do PFPMCG por Paulo Artaxo, membro da coordenação do programa e professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP).

O evento de dois dias foi voltado aos coordenadores, pesquisadores principais, colaboradores e estudantes dos 17 projetos em andamento do PFPMCG. Participaram também coordenadores e equipes dos projetos de pesquisa do programa BIOTA-FAPESP e do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN).

Segundo Artaxo, uma empresa foi contratada e está desenvolvendo o sistema, que permitirá o compartilhamento dos dados gerados pelo programa em uma só interface. A ciência climática, por ser essencialmente multidisciplinar, resulta em dados heterogêneos cuja articulação não é trivial.

"O sistema de interface de bancos de dados será feito tanto para a inserção de dados de sensoriamento remoto, como para dados cartográficos, dados de medidas individuais, dados de instrumentos complexos e dados de imagens de satélite, por exemplo. Ele está sendo desenhado, desde a sua concepção, para poder disponibilizar dados de qualquer natureza", disse à Agência FAPESP.

O novo sistema, por ser capaz de padronizar os dados, será fundamental para que o programa cumpra suas funções, integrando de fato os diferentes projetos em andamento.

Na abertura do workshop, o diretor científico da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, destacou que a integração entre os projetos é fundamental para que o conjunto deles se caracterize como um programa de pesquisa.

"Todos que se envolvem com um programa desse tipo, com financiamento público, têm a responsabilidade de compartilhar com a sociedade os dados científicos que são coletados. Cada pesquisador do PFPMCG tem a responsabilidade de disponibilizar os dados coletados para facilitar trabalhos intergrupos e interdisciplinares e otimizar o enorme investimento que é feito com recursos públicos", disse Artaxo.

De acordo com o pesquisador, o sistema está sendo concebido desde o início para ser amigável do ponto de vista de entrada e de disponibilização de informações no banco de dados do PFPMCG.

"O importante é que os dados sejam acessíveis de uma maneira fácil, de forma que o pesquisador não tenha muito trabalho nem para inserir seus dados, nem para obter resultados de outros grupos que podem ser do interesse de sua própria pesquisa. Não se trata de um sistema trivial, ao contrário, é bastante complexo, por isso o desenvolvimento ainda levará alguns meses", disse. (Fonte: Fábio de Castro/ Agência Fapesp)