Detectada elevada radioatividade nos reatores de Daiichi

Dois robôs enviados para explorar o interior dos prédios reatores nucleares da usina de Fukushima, no Japão, retornaram com notícias desanimadoras: os níveis de radiação são muito altos para que equipes de reparo possam adentrar esses locais.

Apesar disso, autoridades ainda mantêm as expectativas de seguir o "roteiro" de limpeza do vazamento de radiação e estabilização da usina Daiichi até o fim do ano para que possam iniciar o retorno de dezenas de milhares de pessoas que tiveram de deixar suas casas.

"Eu mesmo havia esperado alta radioatividade nessas áreas. Tenho certeza de que a operadora Tokyo Electric Power (Tepco) e seus especialistas consideraram esses dados quando aderiram ao roteiro", disse o porta-voz do governo japonês, Yukio Edano.

Autoridades anunciaram ontem, pela primeira vez, que as varetas de combustível do reator 2 foram danificadas e água contaminada foi encontrada em outras áreas da usina, revelando uma crescente lista de desafios enfrentados pela Tepco na limpeza da contaminação do local.

Proibição. O governo proibiu a venda do cogumelo shitake cultivado em 16 localidades da região de Fukushima.


Tepco não construirá reatores
Tóquio. O presidente da companhia Tokyo Electric Power (Tepco), Masataka Shimizu, disse ontem que a companhia está cancelando um plano para construir dois novos reatores na usina Daiichi, em Fukushima, no nordeste do Japão.

É a primeira vez desde 11 de março, quando um terremoto e um tsunami danificaram a estrutura da usina, que a empresa proprietária reconhece que abandonará definitivamente seu plano de construir os reatores.

Shimizu disse que seria difícil justificar a manutenção do plano para adicionar dois novos reatores à usina e afirmou, ainda, que um novo projeto será entregue em breve.